• ABSS

O que o mercado financeiro tem a ver com a saúde?

Entenda porque a Câmara Interbancária de Pagamentos está com chamada aberta para startups de saúde.


"Este boleto venceu e você só pode pagar no outro banco".


Pra quem começou a usar produtos bancários na era dos bancos digitais, aplicativos e PIX não faz ideia do que isso significa.


Mas houve um tempo em que, quando um boleto bancário vencia, você precisava ir pessoalmente até o caixa do banco emitente e pagar o boleto em dinheiro. Nessa mesma época pra usar seu cartão de crédito ou débito, a empresa precisava ter uma máquina de cartão específica, quase exclusiva, para processar pagamentos com cada bandeira.


E para 'descontar' um cheque, o banco que recebia o depósito precisava enviar o documento original para a agência do dono do cheque que verificava 'inloco' a assinatura à caneta e podia demorar até 1 semana pro dinheiro entrar na sua conta!


Entendendo que a falta de comunicação entre as instituições bancárias dificultava a vida de usuários e profissionais do mercado, surgiu a CIP - Câmara Interbancária de Pagamentos, uma associação civil sem fins lucrativos que integra o Sistema de Pagamentos Brasileiro, e é responsável pela troca de informações em formato digital entre as instituições do mercado financeiro.


Se hoje você consegue pagar um boleto vencido em qualquer banco, é graças à CIP!


Esta evolução de transações digitais e interoperabilidade no mercado financeiro também permitiu o surgimento de novas ofertas de serviços, como outras empresas de 'maquininha de cartão', bancos digitais, e muitos outros, trazendo mais competitividade e melhores serviços!


E o que isso tem a ver com a saúde?


Talvez a parte de "assinatura à caneta" tenha soado familiar pra quem oferece serviços na área da saúde. Ou então o tráfego de documentos em papel e a falta de comunicação entre as instituições.

A falta de padrões de interoperabilidade, ausência de troca de informações entre instituições e até mesmo a negativa de acesso do paciente às suas informações médicas contribuem para custos desnecessário em saúde, dificultam o tratamento contínuo e integrado e são uma barreira para a popularização das soluções de saúde digital.


Não seria ótimo enviar e receber suas informações em saúde como quem manda uma TED? Ou centralizar todo o seu histórico médico de forma automatizada no local que você escolheu para ser seu domicílio de dados de saúde e que toda informação gerada no seu CPF estivesse disponível de forma automática no seu dispositivo? Já pensou não precisar ficar carregando um monte de papel pra cima e pra baixo cada vez que vai a um consulta??


Pensando nisso, o CIP resolveu disponibilizar todo o seu conhecimento e experiência no mercado financeiro para replicar estes princípios para a área da saúde. E conta com quem entende do assunto "Saúde Digital" pra isso!


Se você acredita que sua startup pode contribuir para a integração e interoperabilidade de dados em saúde, prontuários únicos, automatização de autorizações, organização de dados de saúde, e muito mais, essa chamada é pra você.


Não tem certeza se sua solução se enquadra? Então participe da nossa live no dia 11/03 às 18h30 com os organizadores da chamada!


Inscrições gratuitas pelo link bit.ly/live-cip-healthtechs


Venha e traga suas dúvidas! Mas corra, que as inscrições são só até dia 19/03!




63 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Acesso à internet ainda é barreira para a saúde digital?

Por José Luciano Monteiro Cunha, publicado originalmente em LinkedIn. A pandemia do COVID19 escancarou diversas desigualdades socioeconômicas, culturais e digitais. Durante a migração para aulas onlin